@seilabalbao

RSS

Posts tagged with "autoria"

Jun 5

Incerteza, insegurança e sorriso

Queria escrever um daqueles textinhos contando de dias legais que você escrevia. Você dizia que só escrevia quando o dia era especial na sua vida, e no final das contas os textos eram dos dias mais comuns. Me deixou feliz saber que gostava da sua vida.
Queria poder mudar tudo que aconteceu desde então, queria que você pudesse saber que não é só você que acha as coisas incertas agora.
Minha vida tá uma bagunça, to me sentindo igual a você naquele dia que se perdeu por algum motivo e demorou muito mais pra chegar no lugar que você queria. Vai ser assim no final das contas, to perdida e vou demorar mais pra chegar onde quero (e você também, de novo). Só que não é por isso que não vamos chegar.
Queria poder pegar sua dor pra mim. Acho a sua mais legal que a minha, gostaria mais de me doer por amor do que por qualquer outra coisa.
Não vejo você sorrindo mais e isso também não me deixa sorrir. Sorria, por favor? Eu não tenho motivos pra sorrir e o seu sorriso pode se tornar um motivo pro meu aparecer.

Eu quero falar tanta coisa, tudo aquilo que deixei de lado por tanto tempo e é um pecado você não saber. Menina, só digo agora que eu era feliz e não sabia.

Não há tempo que volte, amor.

A maior tristeza é você se arrepender do que não fez e a maior dificuldade é esquecer disso.

Depois de fazer tudo que podia por alguma causa, depois de ter feito o que seu coração mandou, é inevitável lembrar do que você deixou passar em outras causas e momentos. 

É triste. Mas agora não dá mais para errar, agora não erro.

E tenho que concordar com o que dizem por aí: que não há tempo que volte, amor. Vamos viver tudo que há pra viver! Sabe, viver como se não houvesse amanhã? Porque se você parar para pensar.. na verdade não há. 

Quem nunca sentiu saudade põe o dedo aqui..

Saudade é sem dúvida o pior sentimento que existe. Desde os primórdios humanos ela vem nos seguindo. A perda das pessoas sempre foi uma incógnita para a humanidade. A morte é a pior dúvida que nos pira a cabeça, porém não só da morte vive a saudade e aí é que entra o pior dos sentimentos. Pois a saudade não surge só pela distancia física, mas também pela psicologica.

Os apaixonados sentem saudade em um pequeníssimo período de tempo (se o que eles dizem é verdade) e as vezes a distancia nem é tão grande assim. As vezes sentimos saudades de nós mesmos quando éramos de outra forma - outra época - e nós nos estamos totalmente próximos, não é? E há saudade também de momentos que já se passaram e não vão se repetir. Sentimos saudades das pessoas que passaram por nós e deixaram marcas, muitas vezes tão intensas que nunca vão sair de lá. A saudade psicológica entra quando, por vezes, certas pessoas podem estar tão próximas, tão, tão próximas fisicamente e ao mesmo tempo tão longe.. por isso a saudade é cruel. É cruel por ela não medir esforços para sempre lembrar do que você queria que nunca tivesse acabado, que nunca tivesse ido embora.

Sabe aquele tipo de sonho que você vê exatamente 0 que mais lhe faz falta? De forma que se fosse possível tirar daquele sonho, dar um abraço mais forte do que daria em qualquer hora, só pra poder viver aquilo tudo de novo e tornar palpável o que já foi? Isso é chamado de tortura e é feita pelo bendito do sentimento que estou a falar. E isso não vem só dormindo não, sim, se sonha acordado também! E isso é muito recorrente, pois basta um cheiro, uma imagem, um objeto, qualquer coisa (por mais idiota que seja) que lembre o que faz falta, para reviver tudo aquilo que faz chorar de vez em quando. Quando acontece esse tipo de maldade, pensamos: e se pudéssemos voltar no tempo? Seria ótimo poder viver de novo o que mais nos agrada. Porém, entra o relógio na história e ele não para. Tudo ia acontecer mais uma vez, iria passar outra vez e ia chegar o momento que íamos sentir a mesma sacana saudade que sentimos agora. Agora, se pudemos voltar no tempo e mudar as mancadas que fizemos, pode ser que seja relativamente interessante uma maquininha de voltar a épocas anteriores.. contudo, a bendita da saudade ainda permaneceria, não acham?

Todo dinheiro do mundo para o inventor do inibidor desse sentimento. E até arrisco, diga ai quem nunca sentiu ou sente isso?

Quebra cabeças, conflitos internos e ar puro

Sempre foi muito difícil escrever sobre minha casa, onde perdido por lá se encontra toda minha infância e tudo o que é fundamental para sintetizar a minha história. Minha presença era uma peça de um quebra cabeça que não se encaixava. Agora, é estranho perceber que quando volto pra aquele lugar os meus olhos são outros. O sentimento é algum tipo de prazer - em uma mistura de nostalgia e paz. 
Conseguir me confortar naquele local é algo muito novo, e o caminho pra chegar até aqui não foi nem um pouco fácil. Demorou 20 anos para perceber que a solução é entrar de cabeça, peito e corpo para todos os empecilhos que me tiravam o sono. Em outras palavras, tacar o foda-se foi e é a melhor saída. 
Não posso negar que isso só foi possível pelo fato da minha sorte andar de mãos dadas comigo. Sorte de ter amigas incríveis, que cada uma do seu jeito, conseguiram entender os meus conflitos internos que refletiam por todos os espaços. Hoje é uma catarse estar junto de todas essas pessoas que fizeram parte de uma vida que está muito distante do que sou hoje, e que continuam fazendo parte mesmo que eu seja tão diferente do que fui um dia.
Sim, sei que as pessoas mudam o tempo todo. E todo mundo de agora, não é o mesmo de alguns anos atrás. A diferença é que eu não existia, eu era uma variável. Vivia naqueles vãs tentativas de me entender, de entender o mundo e fazerem com que me entendam. De me suportar, suportar o mundo e fazer com o que o mundo me suporte. Graaaaaaaaandes crises existenciais. Um alívio saber que acabou diminuiu.
É muito recente chegar em um ambiente que antes era tão sofrido e agora ser tão leve, tão prazeroso. Mais cliché do que agradecer por existir essas lindas pessoas provindas da minha sorte, seria mensurar o tamanho do meu sentimento por cada uma.

O ar do interior agora é mais leve e vocês me ajudaram a respirar melhor. 

não que eu não consiga entender o que sinto, mas não consigo entender porque as pessoas se separam. um dia talvez eu entenda, por enquanto acho estranho demais… e continuo com saudade e sorrindo com lembranças.”

Acho que vai ser sempre estranho em uma variação de felicidade e tristeza. A saudade é danada, ela faz umas doideiras dentro da gente. 

Jan 6

Se a vida não tivesse me colocado diante do infortúnio da distância, da imensa saudade e da indesejável separação, talvez a certeza que me basta para viver o amor não seria tão grande. Se, pois, a vida me deu esse desgosto de minutos, horas e dias longe de ti, realizei em meus sonhos todo o poder da minha imaginação - da lembrança de como é adorável tê-la em meus braços e assim manter-me firme mesmo longe da tua presença. Entretanto o bastante está longe disso, a cada dia da minha vida gostaria de passar em seu contato, com suas mãos acariciando o meu corpo e a sua voz em meus ouvidos - a ponto de um sussurro ser o bastante para ouvir suas palavras, de maneira que sentirei seu coração pulsar em harmonia com o meu. Quero olhar em seus olhos todas manhãs, com suas pernas sobre as minhas, com o teu rosto colado ao meu e poder repetir milhares de vezes o quanto te amo, o quanto te quero, que você é como esse sol que brilha no quarto, como um alimento para minha alma… e que não viverei sem você. 

Foi em uma manhã de uma terça feira do dia 2 de agosto que todos os problemas aconteceram. Na verdade foi na noite de segunda feira. Não sei. Foi nesse período. Como boa humana que sou, tiro toda a culpa das minhas costas e jogo toda em cima dela. Dela que eu digo é a mentora dos problemas, a denominei de força maior. A força maior ocupou todos os espaços que poderia ter ocupado na mente de alguém, na vida de alguém, no corpo de alguém, nos dias de alguém, em tudo de alguém. Esse alguém sou eu. E olha, a culpo sem medo, porque na minha imensa fragilidade deixei que me levasse para um mundo desconhecido, um mundo que já haviam me contado ser louco e por vezes sofrido. Uma loucura extremamente agradável e um sofrimento intenso, mas desejável. Mas a culpo, a força maior, por ter me mostrado a felicidade, por ter armado o encontro do eu comigo mesma e feito dos meus dias muito mais significativos. A culpo por ter mostrado que posso acreditar em um roteiro de comedia romântica. E também por ter mudado os meus sonhos para os cheios de fantasias que transbordam amor. Sem dúvidas que a força maior é a culpada por eu acreditar agora na eternidade dos sentimentos (e dos relacionamentos), de uma forma que ignoro o fato de que tudo existe um fim. Porém, a maior culpa que detém é de ter conseguido me convencer que a força está presente mesmo que esteja muito longe e minha incapacidade de existir sem ela. Força maior cumpre muito bem o papel de força maior, pois faz com que a minha maior força seja sua presença.

Se eu pensava em você todos os minutos, se eu olhava pra você e sorria sem ter porque, se eu não conseguia ficar feliz sem ter você pra encontrar no final do dia, se sonhava com você todas as noites, se eu ficava te observando todo o tempo que estávamos juntas, se eu considero que fui feliz a partir do momento que te conheci, provavelmente isso seja amor. Se um dia eu disser amor e não lembrar de você provavelmente não te amo mais, se eu um dia falar felicidade e não lembrar do seu nome provavelmente consegui superar você não estar do meu lado. Mas isso, isso, é impossível, porque eu não quero esquecer você, não quero esquecer seu nome e não quero esquecer do amor e nem da felicidade. Eu quero você, comigo, o tempo todo, todos os dias. Não quero viver a infelicidade de saber que você existe e não está ao meu lado. Estou no meio de uma praça na chuva, no sol, na lua, no frio e na tempestade com os meus braços abertos esperando que você um dia chegue e eu consiga te abraçar apertado, te abraçar como se abraça uma pelúcia. Ficar em silencio até sentir o seu perfume, até passar todas as lembranças desses momentos que fiquei a sua espera, até a tristeza sumir. E enfim te dizer que eu esperei por você o tempo todo no mesmo lugar que eu sempre falei que estaria. Te dizer tudo aquilo que nunca disse mas que sempre quis, aquilo que tá no mais fundo dos meus sentimentos, aquilo que vem de algum lugar que eu não sei onde, aquilo que é eu te amo. E se você quer saber o tamanho desse meu amor é como contar com um conta gotas quantas gotas tem essa chuva que me pegou nesse meio da praça com os braços abertos. Porque quando é pra ser o destino se encaixa, como se encaixa a chave e a fechadura porque é você, é você que segura o cordão do balão e que guia para onde tem que ir, é você que encheu com todo folego e o colocou pra voar e voar do seu lado. E eu estou aqui, nessa tarde cinzenta, no meio de uma praça, te esperando, com o cordão do balão solto, esperando que me guie de novo para a felicidade, aquela que fica ao seu lado. Estou te esperando, como nunca estive, porque agora, agora sim eu consigo te olhar no mais profundo dos seus olhos e dizer que eu te amo. 

a porta aberta

onlyoneredballoon:

Abro a porta e me deparo com aquela pessoa. Meu Deus como as minhas pernas tremem, como minha boca insiste em falar algo que minha cabeça não está pensando - afinal eu nem sei o que estou pensando, não falo nada. Fico imóvel, olhando, só olhando. Também me olha como se estivesse aparecido ali por acaso. Parece que não sabe porque veio. O susto e a falta de reação duraram o bastante para que algumas pessoas passassem pelo corredor e nos vissem ali, paradas, entreolhando sem proferir nenhuma palavra. Isso não nos incomodou, porque mesmo caladas, estávamos nos comunicando como nunca. O olhar diz tudo. Me movi o bastante para fazer entender que queria que entrasse. Fechei a porta e ainda sem dizer nenhuma palavra, só olhando e olhando e olhando, nos beijamos como se não fizesse semanas que tivemos a separação. A única coisa que consegui dizer foi “obrigada por ter voltado”. 

Sempre soube que parte de você existia em mim muito antes de te conhecer. Então quando te conheci o que era uma parte virou inteiro, você agora vive em mim por completo. Só quero te dizer que é por isso, por você ter sempre estado aqui, que eu não sei viver sem você. Mesmo que um dia você me deixe, nunca deixará de ter uma parte sua em mim. Mas eu quero viver pra sempre com seus abraços, seus beijos, com o seu braço em cima de mim e sua respiração colada com meu rosto a noite, com sem seu perfume e com você cantando no meu ouvido para me acordar. Olha, só queria dizer que te amo.

Perambulando até conseguir encontrar um lugar que me sinto confortável. Impossível. Já procurei em todos os cantos e nada muda. Lugar estranho, pessoas estranhas, bebidas estranhas, conversas estranhas. Mas antes isso não era estranho. Sempre estive aqui e nada mudou: mesmo lugar, mesmas pessoas, mesmas bebidas, mesmas conversas e nunca tinha sido desconfortável assim. Dúvida se o problema está aqui ou em mim. Acho que mudei. Não consegui entender completamente essa mudança. Vejo, escuto, sinto e tudo está muito distante. Quero sair daqui. Quero ir embora. Mas não posso e finjo. Finjo que gosto daqui, finjo que estou feliz aqui, finjo que aqui é o meu lugar. Não sei porque finjo, porque se mostrasse descontentamento também ninguém importaria - eu acho. Só que é mais fácil fingir para tentar se encaixar. Afinal porque é tão importante se encaixar? Não sei. Não há como negar que já encontrei a felicidade, sei que ela definitivamente não está aqui. Pode estar, mas não posso vive-la. Triste - ou nem tanto, porque finjo. Aqui finjo tudo e quando quero viver eu vou para muito longe desse lugar. 

Eu estava bem, sabe

A maresia deve ter uma dose grande de Rivotril. Não há outra explicação para sentir esse alivio que estar aqui sentada de frente com o mar dá. Já fazia algum tempo que não sentia isso, então acho que talvez a maresia seja melhor que Rivotril - e eu que achava que nada seria melhor do que ele. Não sei o que me deu na cabeça de vir até aqui, descer a serra só para ficar sentada na areia algumas horas de frente com o mar, não é algo que costumo fazer. Ninguém nem sabe que estou aqui, outra coisa que não costumo fazer (só às vezes). De fato, eu precisava disso, desse tempo comigo. Porque não sei se sabem, mas se fechar os olhos e sentir o vento que o mar traz, escutando apenas o barulho das ondas, é algo que faz vermos o que há dentro de nós - acho que alguém me disse isso e resolvi testar. Afinal, depois de tudo que aconteceu o que mais quero é estar comigo.

"Depois de tudo que aconteceu" - falando assim parece realmente uma coisa muito importante. Levantar e respirar. É. Abrir os braços e sentir o vento - isso realmente faz sentirmos o que há dentro da gente. Sentir é fácil, quero ver saber o que é.

Receber aquela ligação ontem foi o fim da minha paz. Eu estava bem, sabe, já tinha superado a ida repentina do infeliz. Não que tivesse sofrido muito, nada do que umas dez sessões de terapia não resolveram. Amor realmente gasta muito do seu tempo e dinheiro. Mas muito bem, já havia passado, já seguia minha vidinha barata, com minhas aventuras baratas, minhas bebidas baratas e tudo o que pode existir de barato. De algum jeito teria que compensar o amor caro e a terapia cara. Mas eu estava bem. Nem pensava muito mais nele, só as vezes. Só quando eu deitava e percebia que não tinha dado boa noite pra ninguém. Ou quando chegava o fim de semana e não tinha ninguém para dormir comigo. Ou quando saia e não via graça em encher a cara para depois sair beijando qualquer um, como as meninas fazem. Ou quando chegava ao meio do dia e.. bom, acho que ainda pensava um pouco nele, mas pouco. Pelo menos não sofria tanto. Já havia me conformado com a partida. Com sua partida podre. Com a merda da sua partida.

Não havia raiva mais em mim. Não mesmo. Quando aconteceu pensei se um dia o encontrasse em algum lugar (coisa impossível de acontecer já que está a alguns mil km de distancia) daria alguns socos, uns chutes e umas cuspidas. Mas depois que o esqueci, pensei que não iria fazer isso, iria ignorar sua presença. Só umas cuspidas, acho. Enfim, eu estava bem, realmente bem. Se não tivesse ocorrido essa ligação talvez nem precisasse vir até aqui na praia para sentir a maresia e ver o que há dentro de mim. Se não tivesse recebido a ligação, um Rivotril de 0,25mg sublingual seria o bastante, com certeza.

Já se passaram o que? Três meses? Tempo relativo para eu ter conhecido alguém para substituir esse idiota. Isso se os caras que conheci não fossem tão babacas. Os burros não sabiam nem mandar SMS direito, um deles mandou: “Bom dia linda. Como vai?” - ele não sabe que “linda” é vocativo e por isso deve ser separado com virgula? É, uma anta. Apesar de o infeliz ter me deixado e ido embora, ele escrevia corretamente e separava com vírgula o vocativo (que era “amor”, não “linda”).

Um outro que conheci aí era péssimo para conversar, só falava de assuntos idiotas como o trabalho dele - acho que ele era médico, sei lá. Não me fazia dar nenhuma risada, só o blá blá blá de gente adulta e amadurecida. Apesar do idiota, do infeliz, da encrenca ter tido sucesso na profissão ele não falava só disso, ele me fazia rir (e muito) também. Sem contar que esse daí, o médico, ele queria porque queria relacionamento sério - mal me conhecia, achei estranho e não atendi mais suas ligações. Que homem hoje em dia pensa em ter relacionamento sério com alguém que acabou de conhecer? Fugi.

Conheci um cara no fim de semana, esse até que achei que seria o cara certo. Pediu meu celular, passei, falou que ia ligar, hoje já é terça e nada. Não ligou então não era o cara certo. Aí o traste volta a aparecer. Eu realmente não sei qual era sua intenção com essa ligação. Deve ser só me fazer ficar assim, desestabilizada. Eu não quero mais saber, ele não pode fazer isso comigo. Vou sair daqui e vou voltar para a minha vida. Vou subir a serra agora e voltar a esquecer esse infeliz, nunca mais lembrar da sua existência. Esquecer que falei com ele ontem, esquecer da sua voz e esquecer tudo aquilo que vivemos. Vou fingir que tudo foi nada. É. É isso.

Opa, vibrou o celular. “não parei de pensar em você desde sábado. quero te ver de novo. quando está livre?” - e eu achando que era o homem certo, o cara não sabe usar nem letra maiúscula em mensagem. O infeliz do traste acabou comigo, mas ele pelo menos sabe usar letras maiúsculas em mensagens. Não sei quando vou achar o cara certo, não sei.

- Você muda de assunto toda vez que eu falo que.. - Eu o que? - Ai, porque você faz isso? - Tá escutando essa musica? Eu coloco pra achar que você tá aqui.

Era uma caixa de presente, um papel rosa lindo a cobria, tinha um grande laço dourado em cima e era do tamanho de uma caixa de sapatos. Me deixaram na porta de casa, no bilhete estava escrito: para você, vai mudar sua vida. Só isso.

A caixa era tão linda que imaginei que, sei lá o que tivesse dentro dela, minha vida se tornaria a mais feliz. Nunca a abri, mas sempre imaginei o que poderia ter dentro, a embalagem era perfeita, e aos poucos ia descobrindo mais detalhes da embalagem que me deixava perdidamente apaixonada. Ela cheirava tão bem, tinha cheiro de flores, uma mistura de flores com doces. Todas as noites dormia e sonhava com o que poderia preencher seu interior, o que será que mudaria minha vida? Imaginei que dentro teria os meus maiores desejos.

Na verdade nunca tive coragem de abri-la. Minha certeza que dentro havia o presente mais lindo de todos era tanta que eu decidi que ia admirar sua beleza, acariciando seu papel macio (que era até de seda), e nunca iria desvendar seu mistério. 

Mas um dia me disseram: você fica circulando em volta desse presente, dessa caixa, e sua vida corre longe dela.. até agora, o que ela te trouxe de bom? No fundo, aquela minha admiração pela embalagem era tanta, que minha vida até era boa, mas baseava naquele laço dourado que chama a atenção de qualquer um e era só isso. Até aquele momento ela não tinha me dado nada de bom. Era tudo em volta daquela bendita caixa, linda, mas que me atordoava e era só imaginação.

O mistério da caixa não iria durar a vida toda. Com muita coragem decidi abri-la, a abri hoje. E minha decepção nunca tinha sido maior, ela estava vazia. VAZIA, VAZIA. Não tinha nada dentro dela. Foi difícil de acreditar que dentro daquela caixa tão perfeita só existe um grande vazio, uma caixa perfeita, mas oca.

Peguei o bilhete, que tinha exposto com tanto carinho no meu mural de fotos, ‘para você, vai mudar sua vida’? Agora faz todo sentido. Não posso negar que tenha mudado para o bem, pois mudou. Pra que fantasiar uma realidade só pelo seu estereótipo? Porque não entender que o que deve durar é exatamente o que te faz bem? A realidade, por mais indesejada que seja, é a que tem que se encarar. Bendita demora pra descobrir que não importa quão fantasiosa seja a imagem que se faz, as vezes, dentro só há um grande e pronfundo nada.